A prática escolar da Educação Física passou por vários processos de transformação no decorrer da nossa história. Por muito tempo, serviu de instrumento para a “educação do corpo”, cujos objetivos estavam vinculados à valorização do desenvolvimento físico. Com o passar do tempo outras abordagens e concepções foram surgindo e influenciaram essa prática com objetivos mais complexos como garantir a formação integral do aluno preocupando-se em desenvolver os aspectos afetivo, cognitivo e motor, dentro da ação educativa.
Atualmente, falamos bastante da Cultura Corporal do Movimento, como uma abordagem de ensino do componente curricular da Educação Física, que muito contribui na ressignificação da aprendizagem motora no âmbito escolar. Educa-se o aluno tendo como instrumento o seu corpo/movimento que está inserido dentro de um contexto social e cultural. A educação do movimento, pelo movimento, e, por meio do movimento não se dá somente pelas práticas corporais, mas também pela compreensão do universo cultural que ele está inserido. A cultura, afinal, seja ela corporal ou de outro segmento, influencia nas práticas sociais, assim como as práticas sociais e corporais também influenciam diretamente na formação cultural de um povo.
Alguns estudiosos da cultura corporal, ao justificar a presença da Educação Física na escola, afirmam que “a função pedagógica desse componente é integrar e introduzir o aluno no mundo da cultura física, formando o cidadão que vai usufruir, partilhar, produzir, reproduzir e transformar as formas culturais da atividade física (o jogo, o esporte, a dança, a luta, a ginástica etc.), mesmo porque cada uma dessas manifestações terá uma identidade cultural, sentido e significado diferentes na cultura na qual ocorrem”.
É importante o aluno saber que jogar xadrez, capoeira, basquete etc. são experiências culturais riquíssimas por si só. Nelas, aprendemos a raciocinar no xadrez, a gingar para a capoeira e entender o seu contexto histórico, a estabelecer relações nos jogos coletivos etc. Podemos ainda refletir sobre a influência que essas práticas podem exercer nas diversas manifestações culturais e corporais do nosso país.
Ao incorporar os conhecimentos da cultura corporal que os alunos já dominam e os que ainda precisam se apropriar, o professor dará um novo sentido aos conteúdos curriculares da Educação Física, proporcionando melhores condições para os alunos compreenderem o mundo em que vivem.
Contudo, a Educação Física pode também ser entendida como uma prática social, construída culturalmente e reproduzida tradicionalmente ou informalmente em diversos ambientes e espaços que nós indivíduos estamos inseridos.

Equipe de Educação Física

Fonte: Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação Física